Ovo – ótimo para a saúde

Comer ovos durante as refeições, acompanhado de feijão com arroz, por exemplo, faz parte da cultura brasileira. Há quem goste de ovo cozido, mas também existe pessoas que não resistem ao ovo mexido, omeletes ou ovo frito. Tem quem prefira a clara ou a gema, e há ainda quem não gosta de comer ovo, seja cozido ou frito ou de qualquer outra forma. Mas, será que o ovo faz bem à saúde? Não é de hoje que as propriedades do ovo vêm sendo estudadas e analisadas e muito se tem discutido se o ovo faz bem ou não à saúde.

O que se sabe atualmente é que o ovo é um alimento completo, que tem um valor nutritivo bastante elevado. Ele é rico em nutrientes, pois possui proteínas (onde 13,4g são encontrados na clara e 15,9g na gema), 13 vitaminas essenciais (todas do complexo B), vitamina D, além de minerais (ferro, zinco, cálcio (antioxidante) cobre, selênio, fósforo, sódio, manganês e magnésio). O ovo também contém gorduras do bem (monoinsaturadas e polinsaturadas – ômega 3 e 6) e gordura saturada. Por seu alto valor nutritivo, deve ser consumido especialmente por crianças em crescimento e idade escolar, gestantes e nutrizes.

A forma mais saudável de comer ovo é cozido, já que, o ovo frito, por exemplo, faz com que o ovo cru, que possui 146 calorias, passe para 240 calorias.

Mas, será que o ovo tem mesmo muito colesterol? O que é mais saudável, comer a clara ou a gema? Pesquisas indicam que o colesterol ingerido através dos alimentos causa menos impacto no organismo que o da gordura saturada (queijos, manteiga, embutidos, creme de leite e gordura das carnes). Ou seja, para equilibrar o colesterol no sangue, o ideal é reduzir o consumo de gordura saturada, manter o peso saudável e praticar atividade física regularmente, além, é claro, de aumentar o consumo de frutas, fibras e verduras.

A clara apresenta baixo conteúdo lipídico, carboidratos, vitaminas e minerais. Já a gema apresenta mais vitaminas do que a clara e contém as vitaminas A, D, E, ácido fólico, ácido pantotênico, além de colina (substância importante para a memória). Ou seja, a parte mais nutritiva do ovo é a gema.

Apesar de o consumo de ovo ser recomendado, as pessoas que têm alergia a albumina (principal proteína da clara) não podem ingeri-lo. Neste caso, é preciso que o ovo e seus derivados sejam excluídos completamente da dieta.

Benefícios do ovo

  • Não aumenta o colesterol – Pesquisas realizadas mostram que o colesterol do ovo não tem nada tem a ver com o colesterol que circula no sangue, por isso não é verdade de que comer ovo aumenta o nível de colesterol. O que ocorre é que o ovo aumenta as taxas de HDL  porque contém gorduras monoinsaturadas na sua composição.
  • Propriedades e seus benefícios – A vitamina A contribui para a saúde dos olhos, a vitamina D e o fósforo preservam a massa óssea, o ferro ajuda a evitar a anemia, a presença de triptofano melhora o sono, a leucina (aminoácido) ajuda a preservar a massa magra, o zinco e o ômega 3 atuam na saúde do pâncreas, o potássio ajuda a controlar a pressão arterial, a lecitina melhora aspectos das funções nervosas e o ácido fólico é importante no período gestacional.
  • Outros benefícios – Alivia sintomas pré-menstruais, minimiza sintomas da menopausa, melhora o estado nutricional e saúde dos idosos, promove maciez da pele, evitando ressecamento e potencializa a função cerebral, melhorando a memória e concentração, prevenindo doenças neurológicas.

Cuidados com os ovos

Comer ovos faz bem para a saúde, isso é um fato. Mas, é preciso tomar alguns cuidados na hora da compra, transporte, armazenamento, refrigeração e preparo das refeições. Confira algumas dicas importantes.

  • É preciso conhecer a origem dos ovos e se certificar de que tenham sido inspecionados pelos serviços oficiais.
  • Selecione os ovos que estejam com a casca limpa, ou seja, os ovos não podem ter a casca suja, trincada ou quebrada.
  • Não se esqueça de conferir a data de validade.
  • Mantenha os ovos em local limpo, fresco e arejado, preferencialmente em geladeira após comprá-los.
  • Coloque os ovos na geladeira sem lavá-los. Deixe-os separados de outros alimentos para não absorverem odores.
  • Antes de manusear o ovo cru, lave bem as mãos, as superfícies onde colocará o ovo e os utensílios a serem usados com água e sabão.
  • Minutos antes do consumo, lave bem os ovos, em água corrente, sem imersão. Devem ainda ser higienizados em uma solução de água com 10 gotas de água sanitária (hipoclorito de sódio) por 20 minutos antes de serem enxaguados.
  • Para melhor conservação, os alimentos com ovos devem ser armazenados na parte interna da geladeira e não na porta.
  • Não coma ovos crus, você pode correr o risco de ingerir salmonella.
  • Na hora do preparo, os ovos devem ser feitos da seguinte forma:- ovos cozidos: entre 10 minutos em água fervente (antes disso existe o risco de salmonella)
  • Ovos mexidos: devem ser cozidos até ficarem firmes
  • Ovos pochê: 5 a 7 minutos em água fervente (saiba sempre a procedência dos ovos para evitar a salmonella)
  • Ovos fritos: 3 minutos de cada lado ou 4 minutos em panela tampada

Você sabe avaliar a condição dos ovos?

Uma boa dica para saber se um ovo está fresco e bom para consumo ou não, é coloca-lo dentro de um copo d’água antes da utilização. Se o ovo afundar e ficar na posição horizontal, ele está fresco e ótimo para o consumo. Se o ovo afundar e ficar na vertical, ele não é tão fresco. Isso não significa que não está bom, mas já não é tão fresco assim. Agora, se o ovo boiar, fuja! Ele provavelmente está impróprio para o consumo. Veja no diagrama abaixo:

Condição dos Ovos

Intoxicação pelo consumo de ovos

Você já ouviu falar em uma bactéria chamada salmonella? Pois essa bactéria é perigosa, sendo transmitida pela ingestão de alimentos, especialmente carne, ovos e leite, que foram contaminados ao entrar em contato com as fezes de animais infectados. Mas, o que ela faz e quais são os sintomas da intoxicação? Essa bactéria invade o sistema imunológico das pessoas, alterando o funcionamento do organismo, principalmente intestino, fígado e rins. Com isso, a pessoa sente náuseas e dores fortes na barriga. Outros sintomas são a diarreia, febre, vômitos e dores na cabeça.

A salmonella pode ser encontrada na casca do ovo ou no ovo cru, causando intoxicação alimentar. Aliás o ovo cru, consumido principalmente na gemada, é considerado um dos alimentos mais perigosos da intoxicação alimentar. Isso ocorre porque o ovo cru é mais suscetível a contaminações por bactérias como a salmonella.

A atenção também deve ser redobrada no caso da maionese, já que este prato tem o ovo como um de seus ingredientes. O perigo, portanto, está no fato da maionese passar muito tempo sem refrigeração, e aí a colônia bacteriana pode se espalhar.

Em casos mais graves de contaminação, a pessoa chega a ser internada em um hospital para se recuperar, e se não for tratada a tempo a intoxicação pela salmonella pode levar a morte. Fazer repouso e beber muito líquido são dois pré-requisitos para que a pessoa se recupere mais rapidamente. No entanto, somente um médico poderá indicar qual o melhor tratamento para os casos de intoxicação alimentar, mesmo porque em alguns casos é necessário inclusive o uso de antibióticos específicos.

Muitas pessoas podem pensar que não é necessário lavar os alimentos, afinal eles não apresentam nenhum sinal de que possa estar contaminado. Só que os microrganismos não são vistos a olho nú, por isso o gosto e o cheiro dos alimentos podem ser normais. É aí que mora o perigo. Por isso, é preciso ter cuidado e fazer a higienação do ovo antes de consumi-lo, e também ficar atento às condições de higiene de bares e restaurantes. Assim sendo, para prevenir a intoxicação alimentar bastam alguns gestos simples como lavar bem as mãos com água e sabão antes de preparar as refeições ou quando lidar com os alimentos, lavar o alimento (no caso a casca do ovo), checar o prazo de validade dos produos e verificar se os utensílios da cozinha estão limpos. Ao fazer isso, aumenta a prevenção e diminui o risco de possíveis contaminações.

A gemada e a lenda afrodisíaca

Muitas pessoas acreditam que a gemada é afrodisíaca, e que aumenta o apetite sexual e ajuda o desempenho de homens e mulheres, no entanto ainda não há nenhuma comprovação científica sobre isso. Mas, como no Brasil ainda é um hábito, principalmente de pessoas mais antigas, incluir a gemada na sua dieta (segundo elas, a gemada traria benefícios à saúde, como energia para o organismo), vale a pena lembrar que é preciso tomar cuidado com a gemada, já que ela é feita com o ovo cru. E, por isso, há o risco de o ovo estar contaminado pela bactéria salmonella. Por isso, especialistas não recomendam o consumo da gemada, pois é impossível saber qual o ovo tem condições de ser consumido.

REFERÊNCIAS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) – ESTUDO DA DESPESA FAMILIAR. Tabela de Composição de Alimentos, Rio de Janeiro. 2011. 216p.

 

Comente através do Facebook