O tema pode não ser muito agradável, mas é importante já que vez ou outra somos acometidos por ela. Estou falando da diarreia, uma maneira um tanto quanto desconfortável, mas necessária, do organismo se livrar de toxinas indesejadas.

É muito fácil descobrir quando uma pessoa está com diarreia. Afinal, os sintomas da diarreia são bem simples: aumento do número de evacuações e a perda de consistência das fezes, ou seja, elas se tornam aguadas. Por causa disso, a pessoa começa a ficar desidratada. Logo, é preciso cuidar tanto da ingestão de líquidos quanto da alimentação. Sim, da alimentação, já que ao contrário do que as pessoas pensam, não se deve suspender a ingestão de alimentos, pois ao fazer isso, é possível agravar o quadro de desidratação, já que há redução dos níveis de dois importantes minerais: sódio e potássio. Além do mais, sem alimentação adequada, o organismo não consegue reagir devido a suspensão do fornecimento dos nutrientes que estão inseridos nos alimentos ingeridos.

Além de beber muito líquido, de 2 a 3 litros por dia, o que se deve comer em caso de diarreia? Em primeiro lugar, faça refeições leves e de fácil digestão. Prefira alimentos cozidos, grelhados e assados. Os alimentos mais recomendáveis são arroz, banana (rica em potássio), maçã, torrada, frango e carne sem gordura. A explicação para a ingestão destes alimentos é que eles dão mais consistência às fezes. Outros tipos de alimentos benéficos incluem salmão e tofu, já que ambos ajudam a suprir a necessidade de cálcio, além de queijo branco. Se gostar de sopa, misture cenoura, batata, arroz e frango ou chuchu, vagem, batata-doce ou inhame.

Para restaurar a flora intestinal, é recomendável que a pessoa tome chá. Mas, cuidado, somente alguns tipos de chás são recomendáveis como camomila, erva-doce e hortelã, por exemplo.

É importante que você não como alimentos como fibras, saladas e bagaço de frutas. Também não é recomendável consumir leite e derivados, se tiver intolerância à lactose. Durante a diarreia não coma alimentos muito condimentados, gordurosos ou fritos, nem bolos confeitados ou recheados. Evite também chocolate e outros doces, frutas cítricas e frutas secas, além de mel, café, refrigerantes e bebidas alcóolicas.

Vale lembrar que é fundamental lavar bem as mãos várias vezes por dia e, especialmente, antes das refeições. E que em caso de utilização de gelo na bebida, não esqueça de utilizar água tratada ou fervida.

O que causa diarreia

Infecções virais ou por bactérias podem ocasionar diarreia através da intoxicação alimentar. Por isso, é importante armazenar bem os alimentos tanto antes quanto depois do preparo, já que algumas toxinas podem sobreviver ao cozimento.

A intoxicação alimentar pode desencadear náuseas e vômitos, acompanhados ou não de diarreia. Neste caso, o mais comuma é que a intoxicação alimentar seja causada por toxinas das bactérias Staphylococcus aureus (Estafilococos aureus) e Bacillus cereus.

Outro tipo de manifestação é quando a intoxicação alimentar provoca uma diarreia aquosa. Isso ocorre por causa de uma bactéria ou por toxinas produzidas após a ingestão do germe, e que provocam lesão da mucosa do intestino delgado. Germes como Cyclospora cayetanensis, Escherichia coli e Clostridium podem causar a diarreia. É importante lembrar que a cólera é causada por uma bactéria chamada Vibrio cholerae, que provoca uma severa diarreia aquosa. Neste caso, as evacuações podem chegar a 20 por dia.

As bactérias Salmonella, Shigella, Campylobacter e Escherichia coli enterohemorrágica, que atingem a mucosa do intestino grosso, são ocasionárias de um tipo de diarreia que apresenta sangue, pus e muco. Também é normal ter febre alta. Esse tipo de diarreia é classificada como inflamatória ou chamada de disenteria.

Além da intoxicação alimentar, doenças inflamatórias intestinais podem provocar diarreia crônica, como a Doença de Crohn, a retocolite ulcerativa e AIDS. Por isso, diarreias com mais de um mês de evolução devem sempre ser investigadas.

Tipos de diarreia

Qualquer pessoa pode ter diarreia, desde criança, adulto ou idoso. Mas, você sabia que existe mais de um tipo de diarreia? Pois, elas podem ser classificadas como comum, infecciosa, amebíase, giardíase e intolerância à lactose.

  • Diarreia comum – Neste caso, as causas da diarreia podem surgir devido a uma combinação de estresse, ansiedade, remédios, alimentos (excesso de gordura, cafeína) e mudança do tipo de água ingerida. As crianças sofrem mais com o tipo de diarreia comum. As fezes são soltas e aguadas.
  • Diarreia infecciosa – Viroses e bactérias são responsáveis pela diarreia infecciosa. Além dos sintomas comuns da diarreia, a pessoa também pode sentir febre, falta de energia e de apetite. As crianças estão muito sujeitas a esse tipo de diarreia.
  • Amebíase – Um parasita transportado por água ou comida contaminada atinge o intestino. Entre os sintomas destaque para leve dor de estômago, flatulência, febre, prisão de ventre, debilidade física. As fezes são aguadas e surgem com manchas de sangue.
  • Giardíase – Outro parasita que se espalha no aparelho digestivo através da ingestão de água e alimentos contaminados. Outra possibilidade de transmissão é através de relações sexuais ou por excrementos. Entre os sintomas mais comuns estão dor estomacal, desconforto abdominal, dor de cabeça e fadiga e diarreia persistente. As fezes são pastosas.
  • Intolerância à lactose – Por não ser capaz de digerir a lactose, açúcar encontrado no leite e seus derivados, a pessoa pode sofrer de diarreia, desarranjos estomacais, ou então prisão de ventre e gases.

Comente através do Facebook