• PROBIÓTICOS
  • Controla colesterol
  • Reduz pressão arterial
  • Aumenta imunidade
  • PREBIÓTICOS
  • Ajuda flora intestinal
  • Ajuda na absorção de nutrientes
  • Suprime substâncias tóxicas

Quando se fala em bactérias a tendência é torcermos o nariz, não gostarmos nem de pensar que esses micro-organismos estão presentes no nosso dia a dia, apesar de serem invisíveis a olho nú. No entanto, acredite ou não, as bactérias estão mais próximas do nosso organismo do que a gente imagina. “Como assim?” Não acredita? Pois saiba que as bactérias estão presentes em alguns alimentos que ingerimos e seu intestino possui trilhões delas…

Cada alimento que faz parte da nossa dieta diária tem uma função no nosso organismo. Alguns têm a capacidade de promover mais benefícios ao organismo do que outros, e são capazes até de ajudar na prevenção de doenças e na proteção de órgãos e tecidos, por isso, esses alimentos são chamados de funcionais. Um bom exemplo são os chamados alimentos probióticos prebióticos, que ajudam o intestino a funcionar melhor.




Alguns probióticos, por exemplo, contêm bactérias que têm como objetivo atuar no trato gastrointestinal, ajudando a manter a flora intestinal saudável. Isto ocorre porque o intestino concentra cerca de 70% das nossas células de defesa, e ele tanto pode receber nutrientes saudáveis quanto nocivos à saúde. Assim, quando a bactéria instalada no intestino for um probiótico, o organismo vai identificá-lo como um micro-organismo benéfico, e não serão ativadas células para rejeitá-lo. Mas, se, por outro lado, a bactéria for uma salmonella, aí ela será identificada como uma bactéria patogênica, ou seja, maléfica à saúde.

Para que o organismo funcione ainda melhor, o ideal é unir os probióticos aos alimentos prebióticos, compostos por fibras não-digeríveis que favorecem o crescimento de bactérias benéficas no nosso organismo, fazendo com que melhore a saúde do seu hospedeiro.

Para que você entenda mais sobre probióticos e prebióticos, como agem e onde encontrá-los, confira os textos a seguir.

Alimentos probióticos

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica os probióticos como micro-organismos vivos (bactérias) que, quando ingeridos em quantidades adequadas, exercem efeitos benéficos para a saúde do homem, como, por exemplo, proteger a parede intestinal, evitando que moléculas nocivas façam mal à saúde. Além disso, os probióticos aumentam consideravelmente o valor nutritito e terapêutico dos alimentos. Isto ocorre porque há um aumento dos níveis de vitaminas do complexo B e aminoácidos, que são aborvidos pelo organismo, além de cálcio, ferro, zinco e magnésio.

Além de manter o equilíbrio da flora intestinal, os probióticos também são usados para prevenir e tratar doenças, além de serem imunoestimulantes, pois melhoram a absorção de nutrientes. Mas, que tipo de micro-organismos são usados como probióticos? Entre os principais estão as leveduras, bactérias ácido-lácticas e bactérias não ácido lácticas.

Esses micro-organismos, como os lactobacilos e as bifidobactérias, são adicionados aos alimentos industrializados, sendo encontrados em iogurtes e leites fermentados. Nem todo iogurte, porém, é probiótico. Isto porque as bactérias que fermentam o iogurte normal, por exemplo, não chegam vivas ao intestino. Por isso, para saber se você está levando para casa iogurte com probiótico, basta conferir o rótulo. Se na embalagem estiver escrito lactobacilos e as bifidobactérias, você estará levando o alimento correto. Além dos iogurtes e leites fermentados, os micro-organismos também podem ser encontrados na forma de pó ou cápsulas.

É importante ressaltar que, por terem pouco tempo de vida, os probióticos devem ser mantidos sob refrigeração constante. Outra dica é consumir alimentos com este nutriente todos os dias, ao longo da vida, pois somente assim o efeito do probiótico na manutenção do equilíbrio da flora intestinal será contínuo, permamente. No caso de iogurtes, por exemplo, a recomendação ingerir de dois a três iogurtes com probióticos por dia.

Além de encontrar probióticos em iogurtes e leites fermentados, também é possível consumi-los através de suplementos (neste caso é importante consultar um médico ou nutricionista).

Benefícios dos probióticos

Como já foi explicitado anteriormente, além de proteger a flora intestinal, os alimentos probióticos possuem outros benefícios, como:

  • atuar no controle do colesterol e na redução do risco de câncer
  • atuar na diminuição da pressão arterial
  • possuir propriedades anti-mutação
  • atuar na diminuição de metabólicos tóxicos e das enzimas patogênicas (que causam doenças) no cólon, evitando, assim, a formação de células responsáveis pelo desenvolvimento do câncer de cólon
  • diminuir o risco de reações alérgicas e doenças auto-imunes devido a dificuldade para a passagem de macromoléculas no tecido intestinal
  • auxiliar no aumento de uma enzima que facilita a digestão da lactose (importante para quem tem intolerância à lactose)
  • auxiliar no reforço do sistema imunológico, fazendo com que o organismo crie defesas contra bactérias e micro-organismos indesejáveis
  • fortalecer o sistema imunológico, através de uma maior produção de células protetoras

Alimentos prebióticos

Além dos alimentos probióticos, os prebióticos também são fundamentais para o bom funcionamento do organismo, pois eles funcionam como alimento para as bactérias intestinais benéficas, ou seja, para os probióticos. Assim sendo, pode-se afirmar, inclusive, que os dois juntos são ainda mais fortes e contribuem ainda mais para a reorganização da flora intestinal.

Mas, o que são os prebióticos? Esses alimentos são tipos de fibras alimentares não-digeríveis pelo nosso corpo. Eles favorecem mais a multiplicação das bactérias benéficas do que prejudiciais à saúde.

Assim como os probióticos, os alimentos ricos em prebióticos devem ser consumidos diariamente, para que o efeito benéfico ao organismo seja permanente. No entanto, é preciso ressaltar que pessoas com problemas intestinais não podem exagerar no consumos de prebióticos. Isto porque podem ocorrer alguns efeitos colaterais como diarreia ou flatulência.

Os alimentos prebióticos são recomendáveis para atletas de alto nível, pois como eles realizam muitos exercícios físicos, por vezes extenuantes, estão mais propensos às alterações na flora intestinal, pois os exercícios exigem bastante do organismo em termos de nutriente. E essas alterações acabam por provocar alguns problemas, como, por exemplo, a destruição de vitaminas, produção de toxinas cancerígenas, diminuição da absorção de nutrientes, destruição da mucosa intestinal e inativação de enzimas. Para que os atletas tenham então melhor performance física, e não sofram problemas que prejudiquem o seu rendimento, é recomendável o consumo de prebióticos. Mas, para saber quais são as melhores fontes e a quantidade ideal a ser consumida, a dica é procurar por um profissional, como um nutricionista.

prebióticos

Os representantes mais conhecidos dos prebióticos são frutooligosacarídeos (FOS) e inulina. Mas, apesar do nome complicado, os FOS, por exemplo, estão concentrados em alimentos de origem vegetal, como cebola, tomate, cevada, aveia, alho, banana, mel, trigo e cerveja. Já a inulina está presente principalmente na raiz da chicória, e também na cebola, no alho, na alcachofra e no aspargo. Pesquisas mostram ainda que a inulina tem a capacidade de aumentar a absorção de cálcio (previne as doenças ósseas) e de magnésio (atua na contração muscular) pelo organismo.

Benefícios dos prebióticos

Confira a seguir, outros benefícios dos prebióticos além de ser favorecer a multiplicação das bactérias benéficas ao organismo:

  • Ajudar na manutenção da flora intestinal
  • Estimular o crescimento das bifidobactérias (responsáveis por suprimir a atividade de bactérias putrefativas, ou seja, que podem formar substâncias tóxicas)
  • Facilitar o trânsito intestinal
  • Contribuir com a consistência normal das fezes (prevenindo a diarreia e a constipação)
  • Ajudar na absorção das substâncias necessárias ao organismo, fazendo com que seja eliminado o excesso de colesterol e glicose (açúcar)

Comente através do Facebook